Os perigos do pão



Rosalinda largou do trabalho às dezoito e cinco e desceu pra estação correndo. Da Lima Mindêlo ouviu rezando pelo improvável o escândalo dos trilhos, acelerou o passo e quase caiu antes de ter certeza ao virar na Sanhauá de que era mesmo seu tempo partindo. O próximo trem só dali a quarenta minutos. Os meninos estão sem janta e Evilênio sem Rosa. A casa deve estar uma bagunça, a pia entupida de pratos e o balde cheio de roupas.



Rosa não gosta de ler. Também não tem fone de ouvido. O celular, de toda maneira, não toca música. Rosa não tem que estudar para prova nem faz crochê. O caminho sempre é um tédio. Esperar é um tédio maior ainda. Rosa não para. Rosa só trabalha. E tem muito trabalho esperando em casa. E ainda tem que comprar o pão.

A padaria da rua de Rosa fecha cedo por causa dos assaltos. Antes das sete. Leno só come o pão de lá. Se for de outro canto ele reconhece e não come. Mas para Leno pior é ficar sem pão.

É melhor arriscar o de seu Fortes da Padre Azevedo. A coxinha é boa, o pão deve ser.

Rosalinda cruzou a praça dos fretistas para subir pela Barão do Triunfo, seguindo o fluxo de gente, no caminho dos homens gentis. Da cabine bege enferrujada de um caminhão baú um lhe cumprimentou com um assobio. O bêbado caído no canteiro não disse nada, mas esticou a mão. O funcionário que fechava a oficina deu boa noite sorrindo, o dono perguntou se estava perdida, o engravatado cruzando a faixa quis saber dos planos para mais tarde, um boyzinho passou no carro e ofereceu carona, o soldado disponibilizou escolta.

Enfim chegou à padaria.

- Seu Fortes, dois reais de pão.

Com a sacola na mão, desceu pela Padre Azevedo mesmo. Um deserto. Um breu.

Nas ruas do Centro o por do sol impõe seu toque de recolher. Quando a rádio-poste toca a Ave Maria, as lojas descem as portas e os trabalhadores saem correndo. O Terminal de Integração parece um formigueiro. As ruas, filetes de formigas fugindo dos predadores. Depois de trinta minutos, poucas restam fora das grades. Só as retardatárias, as que trabalham à noite e as que se amigam com as cigarras. Numa segunda-feira, isso quase não se vê.

- Passa a bolsa! O celular! O celular! A sacola! Passa tudo!

Da Integração, muita gente viu. E só viu. Quem diabos ia sair para pagar duas passagens? Nem tinha o que fazer. Acabou tudo bem. Os motoqueiros fugiram e Rosa não teve nada. Sem nada, seguiu em paz.

Mas fora-se o último trem.

Rosa tentou ônibus. No primeiro, sequer conseguiu entrar. Deu a hora do segundo, mas nada. Já passava das oito quando Pedro Bola encostou perto da parada.

- Santa Rita! Santa Rita!

Rosa não anda de alternativo, mas abriu uma exceção porque era Bola.

- Menino, que sorte. Hoje nada deu certo.

- Até aqui, minha Linda, porque eu sou o chofer do paraíso.

Longe dos olhares intimidadores, quando sentiu que tinha clima, Pedro se declarou para Rosa. Abriu o coração. Colocou para fora tudo que guardou desde o tempo da escola.

Depois se limpou, entrou no carro e foi embora.

Rosa estava perto de casa. Arrumou o cabelo, sacudiu a roupa, esfregou a cara e foi andando. Encontrou Leno na porta.

- Isso é hora, vagabunda?

Dali para depois nunca lembrou de nada. Pegou no sono e acordou no outro dia de manhã, no chão da cozinha. Leno e os meninos à mesa, tomando café e comendo pão.



Gostou do texto? Cadastre aqui seu e-mail para receber as atualizações do blog e curta nossa página no Facebook! =)




COMENTE COM O FACEBOOK